Informação da Dengue Dengosa

dengue-imagemConsiderando o teatro um importante meio de mobilização, este projeto se apresenta como um agente de cultura e de articulação em saúde, educação e meio ambiente capaz de envolver públicos estratégicos para a prevenção ao Aedes Aegypti, transmissor da ​Dengue, ​ Chikungunya e Zika. Tudo isso sem perder a plasticidade do fazer teatral.

O espetáculo A Dengosa Dengosa busca, por meio de elementos do imaginário coletivo, valorizar o fazer teatral. A direção é sensível à estética que valoriza a comunicação não só pelo texto,mas também pela poesia na encenação através de imagens e signos que remetem o público ao universo lúdico da imaginação.

Conta ainda com a parte técnica e pedagógica no que tange as informações preventivas. Buscando referências do universo cultural baiano, o texto, trilha e encenação transportam a plateia ao mundo poético dos sonhos. Isso valoriza a beleza imagética interpretativa, fortalecendo um espetáculo educativo voltado para a promoção da saúde, grande diferencial neste projeto.

O projeto do espetáculo surgiu da necessidade de mobilizar a população para prevenção correta, constante e eficiente contra o Aedes Aegypti, mosquito transmissor da dengue, da chikungunya e, recentemente descoberta pela Universidade Federal da Bahia, também do zika vírus. Este último tem sido apontado como responsável pelo número expressivo de caso de microcefalia em bebês. Somente na Bahia foram 312 casos de microcefalia.

A iniciativa do projeto nasceu ​ em 2008​ , ano em que o Brasil registrou 632.680 casos de Dengue. Foram 259 mortes​ , a maioria nas regiões Sudeste(123óbitos) e Nordeste (97 óbitos). Nos anos seguintes, a forma mais grave da doença, a Febre Hemorrágica, continuou fazendo mais vítimas fatais no país: ​2009 (174 mortes), 2010 (300), 2011 (191), 2012 (121) e 2013 (235)​

Os dados são do Ministério da Saúde e alertam para um cenário preocupante, uma vez que, somente este ano,​ já foram registrados 1.587.080 casos de Dengue até o dia 05 de dezembro de 2015​ , de acordo com o Boletim Epidemiológico do supracitado Ministério. A região Sudeste teve o maior número de casos notificados (997.268 casos; 62,8%) em relação ao total de todo Brasil, seguida (293.567 casos; 18,5%), Centro­Oeste (211.450 casos; 13,3%), Sul (53.106 casos; 3,3%) e Norte (31.689 casos; 2,0%). Foram confirmados 839 óbitos por dengue, o que representa um aumento no país de 80,4% em comparação com o mesmo período de 2014, quando foram confirmados 465 óbitos.

​Além disso, a febre chikungunya, também transmitida pelo Aedes ​Aegypti,​ já atingiu 17.131 pessoas em todo o Brasil este ano. A Bahia está vivendo uma tríplice epidemia: Na Bahia, no ano de 2015, até 23/10, foram notificados 58.125 casos suspeitos de Zika, 17.363 casos suspeitos de Chikungunya e 48.795 casos prováveis* de dengue. Até 13 de outubro de 2015, foram notificados 168 casos de complicações neurológicas, temporalmente associados à doença exantemática indeterminada. Destes, 63 (37,5%) foram confirmados como Síndrome de Guillain ­Barré.